Ginecomastia (Correção de Mamas Masculinas)

Ginecomastia é a presença de mamas com características femininas no homem. Costuma aparecer em jovens com idade média de 13 anos, por consequência das alterações hormonais da adolescência. Nesses casos, as mamas crescem por períodos de seis meses ou menos, para depois retornar ao tamanho normal. Em alguns casos, entretanto, a hipertrofia persiste até a vida adulta.

As causas podem ser: genética, alteração hormonal ou maior sensibilidade da glândula mamária ao hormônio feminino, sem haver alteração hormonal; uso de drogas, anabolizantes e álcool. Pode haver um aumento tanto da glândula, quanto da quantidade de gordura ao redor da glândula, ou ambos.

Para identificar a ginecomastia o médico avalia o crescimento das mamas e da inspeção direta delas, além de fazer o exame físico. A correção cirúrgica é indicada, especialmente no caso dos adolescentes, para evitar problemas emocionais.

É importante lembrar que câncer de mama também ocorre em homens. Tumores malignos formam nódulos duros, indolores. Mas o câncer de mama quase sempre se instala em uma única mama, diferentemente da ginecomastia, que é bilateral em pelo menos metade dos casos. O aumento das mamas pode advir, também, no hipertireoidismo e na insuficiência hepática.

Além do tamanho aumentado, a ginecomastia também pode ser caracterizada por mamas masculinas assimétricas. A cirurgia de correção pode, portanto, ser feita em apenas uma mama ou nas duas. É importante que o paciente esteja em seu peso ideal – pois a mama também possui boa quantidade de gordura – e certo em relação à escolha do procedimento.

O procedimento cirúrgico a ser realizado depende do tipo e do grau de ginecomastia do paciente. Há três métodos possíveis no tratamento desse tipo de problema:

- A lipoaspiração indicada em casos simples, onde existe um pequeno acúmulo de gordura nas mamas. É feita com anestesia local e o tempo de recuperação é baixo.

- Remoção da glândula. Esse procedimento é indicado para casos onde há um aumento anormal da glândula mamária e é feito um corte na região areolar para a retirada da glândula.

- Mamoplastia redutora: realizada em casos mais sérios quando acomete grande parte do tórax e um excesso de pele.

Recomenda-se que o paciente fique afastado de esforços por duas semanas e use uma malha compressiva. É natural sentir um leve desconforto, contornável com uso de medicamento, e podem ocorrer inchaço e hematoma na área operada, que perduram em torno de até 21 dias.

A ginecomastia redutora pode ser realizada com anestesia local e sedação ou geral, e pode levar, em média, de uma a duas horas. O tempo de internação varia de 12 a 24 horas, dependendo do tipo de anestesia utilizado.

 Complicações: São raras as complicações da correção da ginecomastia, mas podem ocorrer hematomas, infecção, deiscência (abertura de pontos), quelóides (conforme predisposição individual do paciente) e necrose.

Contraindicações: A cirurgia não poderá ser realizada se o paciente estiver com suspeita de gripe, mal estar ou algum tipo de infecção; faça uso de algum tipo de anticoagulante como ácido acetilsalicílico (AAS) que deverá ser suspenso pelo menos 7-10 dias antes da cirurgia. Se for fumante, cortar o consumo de cigarros duas semanas antes da cirurgia e duas semanas após; não ingerir bebida alcoólica próximo à data da cirurgia.
Idade recomendada: durante ou após adolescência.
Anestesia: local com sedação ou geral.
Duração da cirurgia: entre uma e duas horas.
Tempo de internação: entre 12 e 24 horas.
Pré-operatório: realização de exames laboratoriais e suspensão do uso de medicamentos como, por exemplo, anticoagulantes
Pós-operatório: uso de colete cirúrgico por, pelo menos, um mês
Tempo de recuperação: duas a três semanas