Mastopexia (Lifting de Mamas)

Comumente referida como cirurgia de lifting de mama, a mastopexia reposiciona a aréola e o tecido mamário, removendo o excesso de pele e comprimindo o tecido para compor o novo contorno da mama. A cirurgia pode ser feita individualmente ou em associação com a mamoplastia de aumento ou redução.

Os seios da mulher muitas vezes mudam com o tempo, perdendo sua forma jovem e firmeza. Estas alterações e perda da elasticidade da pele podem ocorrer devido a: gravidez; amamentação; oscilações de peso; envelhecimento; gravidade e hereditariedade.

Às vezes, a aréola torna-se alargada ao longo do tempo, e a mastopexia poderá reduzi-la. O procedimento pode ter um caráter rejuvenescedor, já que o perfil conseguido no pós-operatório é o de uma mama jovem e firme.

A cirurgia não altera, significativamente, o tamanho dos seios ou preenche a parte de cima da mama (colo). Se você quiser ter mamas mais volumosas, considere a cirurgia de aumento. Se desejar seios menores, considere a combinação de elevação da mama e cirurgia de redução.

O médico avaliará o grau da ptose – queda das mamas – para determinar o procedimento mais adequado. Existe três graus de ptose, determinado pela posição da aréola em relação à prega infra mamária (linha abaixo do seio) e ao esterno (osso no qual estão ligadas as costelas). Podem ser classificados como: leve – quando a aréola está na prega inframamária; moderado – quando a aréola está aproximadamente um ou dois centímetros abaixo da prega e acentuado – quando a aréola está dois ou três centímetros abaixo da prega e inclinada para baixo.

A técnica mais realizada atualmente é a chamada em técnica em “âncora” ou em “T” invertido. Assim, é feita uma incisão em forma de âncora que se estende do contorno superior da aréola até a porção inferior da mama. É indicada para pessoas com mamas grandes e que apresentam ptose mamária acentuada por atingir um maior grau de elevação. Pelo mesmo motivo, é a técnica mais realizada atualmente.

É importante lembrar que uma gravidez após uma mastopexia pode comprometer os resultados da cirurgia, pois os efeitos da amamentação podem fazer com que as mamas fiquem flácidas e mudem de forma novamente. Apesar de a mamoplastia de aumento não impedir o processo de envelhecimento, ela pode ajudá-la não apenas a melhorar a posição de suas mamas, como também deixá-las mais firmes por muitos anos.

Após o procedimento, serão colocados curativos sobre as incisões. Será necessário usar uma bandagem elástica ou sutiã para minimizar o inchaço e sustentar a mama.

Um dreno pode ser temporariamente colocado sob a pele para drenar qualquer excesso de sangue e de fluido que possam acumular após a cirurgia.

Complicações: Cicatrizes desfavoráveis; sangramento (hematoma); infecção; má cicatrização das incisões; alterações de sensibilidade da mama ou do mamilo; contorno e forma da mama irregularidades; danos em estruturas mais profundas tais como nervos, vasos sanguíneos, músculos e pulmões – de forma temporária ou permanente; alergia ao material do curativo, ao fio de sutura, a colas, aos derivados do sangue, a medicações tópicas ou injetadas; assimetria da mama; necrose do tecido adiposo (necrose gordura); rigidez excessiva do peito; possibilidade de perda parcial ou total do mamilo e da aréola; riscos anestésicos; acúmulo de líquido (seroma); dor, que pode perdurar; trombose venosa profunda; complicações cardíacas e pulmonares e possibilidade de novo procedimento cirúrgico.
Contraindicações: A cirurgia não poderá ser realizada se o paciente estiver com suspeita de gripe, mal estar ou algum tipo de infecção; faça uso de algum tipo de anticoagulante como ácido acetilsalicílico (AAS) que deverá ser suspenso pelo menos 7-10 dias antes da cirurgia. Se for fumante, cortar o consumo de cigarros duas semanas antes da cirurgia e duas semanas após; não ingerir bebida alcoólica próximo à data da cirurgia.
Anestesia: local com sedação ou geral.
Duração da cirurgia: de 2 a 4 horas.
Tempo de internação: entre 12 e 24 horas.
Pré-operatório: realização de exames laboratoriais e suspensão do uso de medicamentos como, por exemplo, anticoagulantes.
Pós-operatório: uso de sutiã cirúrgico por, no mínimo, dois meses. Dores na fase inicial do pós-operatório são comuns e podem ser contornadas com o uso de analgésico. A paciente deve evitar movimentos bruscos e excessivos com os braços. Além disso, é recomendado que contasse com a ajuda de alguém para tomar banho. Deve ainda evitar esforço físico nas primeiras semanas. Deve-se evitar dirigir por, no mínimo, três semanas após a cirurgia e retomar a prática esportiva somente depois do terceiro mês.
Pode haver o uso de dreno nos primeiros dias depois da mamoplastia de aumento para evitar o acúmulo de líquido nas mamas.

Tempo de recuperação: 2 a 4 semanas.